Slider (Add Label Name Here!) (Documentation Required)

John Doe

"Sou lixo. 

Pior que um John Doe a dormir no meio da rua sem sentidos, sem motivos, sem filhos e objectivos minimamente vividos. Sou uma droga, um papel alucinogéno pronto para criar uma ilusão de uma vida que não tenho, que não te posso dar, que nem quero tentar mas demonstro de alguma maneira para te levar a uma penetração pouco exigente e muito mais demente do que a tua imaginação alguma vez supôs. Represento um espírito de arrasto, um corpo sem alma e sem olhos. Cego pela beleza de ser escória para ti e para qualquer outra que se supor capaz de modificar esta característica irrefutável. 
Sou o homem que conheces à entrada da igreja mas que já cheira a Satanás só pelo perfume que emana. Confesso que adoro demonstrar o quanto elas não são independentes, o quanto elas me ligam para dizer que me adoram e eu nem atendo. Confesso que as adoro ouvir gritar e quando elas, juntamente com um clímax, gritam o meu nome com a minha mão de ralé a abafar-lhes a vontade... Confesso que me apaixono por todas elas mas apenas interiormente e molhadas, nada de imagens, nomes, vidas, isso tudo é para os outros, aqueles com que casam e partilham casa e supostas felicidades. 
Sou uma fase de vida, um cheiro em linha que nunca experimentaste sem arrependimento, a causa do teu maior orgasmo, a razão das tuas noites mais choradas. Sou o primeiro amor com quem anos mais tarde praticarias o adultério. Sou a destruição, o grande caos na tua cabeça. 
Não és a única, nunca a serás. Vivo para matar, sem balas e danos, inocentes mulheres com mau gosto para homens, mentalmente (talvez com algumas marcas físicas pelo meio).
Sou o pior pesadelo dos teus pais. A pior toxina do mercado. Tu sabes, toda a gente o sabe.
Mas ambos sabemos que se te tocasse neste momento em nos cruzámos, que cederias sem pensar duas vezes nas consequências de dormir cegamente com um homem que odeia mulheres como tu."

0 comentários:

Enviar um comentário